terça-feira, 31 de agosto de 2010

Chinês que aplicou o golpe do vigário em Rosário é condenado a 6,5 anos de prisão no Ceará

O blog do amigo Luís Cardoso publicou hoje matéria do jornal "O Povo", de Fortaleza, de autoria do jornalista Eliomar Lima, que noticia a condenação que o empresário chinês Chhe Kwo Chheng sofreu da Justiça Federal no Ceará, seis anos e meio de cadeia, por ter enganado 1.600 costureiras na região de Baturité, no Ceará. com promessas de emprego e renda.

Aqui no Maranhão ele também enganou com promessas de emprego e renda 4.500 homens e mulheres humildes da região do Munin e cerca 800 costureiras que, segundo ele, se tornariam microempresárias, em São Luís, Paço do Lumiar (Maiobão) e São José de Ribamar.

O agravante do Maranhão é que ele foi trazido do Ceará pelas mãos do marido e secretário estadual de Planejamento do governo de Roseana Sarney, Jorge Murad, e teve total apoio de técnicos do governo na montagem do pólo de confecções de Rosário, tanto na atração de gente humilde para solicitar U$ 24 milhões de empréstimos no BNB, como para fraudar mais de 300 licitações e vender máquinas de costura obsoletas a preços superfaturados.

No Ceará o chinês foi condenado a 6,5 anos de cadeia por ter enganado 1.600 pessoas. Se a Justiça Federal do Maranhão desengavetar o proceso que corre contra Chheng em São Luís e como ele enganou 5.300 pessoas no Maranhão (4.500 em Rosário e 800 na ilha de São Luís) então ele deveria ser condenado a 21 anos, seis meses e onze dias por igual delito cometido no Maranhão com a ajuda do marido de Roseana e de técnicos do governo estdual que aqui trabalhavam nos anos de 1995,1996 e 1997.

Leiam a matéria do jornal cearense "O Povo", reproduzido no blog de Luís Cardoso:


“Chhai Kwo Chheng, para quem não lembrar de imediato, é o nome de um empresário de olhos puxados que, 17 anos atrás, engabelou o Governo do Ceará. Prometeu mundos, esvaziou fundos, recebeu verbas públicas e foi embora deixando gente atordoada e muitas dívidas. O taiwanês, afagado com pompa e circunstância, ganhou terreno e uma década de impostos livres para abrir na pouco aproveitada cidade de Acarape uma fábrica de máquinas de costura, a Yamacon Nordeste S/A. Chhai continua livre, mora em Manaus, fará 52 anos em outubro e agora é um condenado pela Justiça Federal no Ceará. Está solto e ainda pode recorrer da decisão.

Mais informações aos que ainda não se recordam dele: possui inclusive cidadania brasileira. À época, foi figura fácil do noticiário econômico local. Negociava diretamente nos gabinetes governamentais e, nas salas dos diretores de bancos públicos, tomava cafezinho e empréstimos em nome da Yamacon. Os entusiastas de então diziam que a fábrica seria a pioneira de um novo polo industrial e confeccionista a apenas 60 km de Fortaleza.

A “garantia” de Chhai era a geração de 1.600 empregos e prosperidade aos pés do Maciço de Baturité. O eldorado do taiwanês no semiárido cearense durou só a metade dos 10 anos da isenção recebida. Senhoras costureiras, unidas numa cooperativa, também seduzidas com a proposta de Chhai, herdaram o golpe. Calculado, só no episódio delas, em R$ 1,7 milhão em 1999. Não sabiam que o empréstimo era atrelado ao valor de suas máquinas. A passagem dele pelo Ceará foi digna de condenação.

A sentença de Chhai foi anunciada no último dia 8 de junho, pelo juiz substituto da 11ª Vara Federal, Ricardo Ribeiro Campos. Pena de seis anos e meio de reclusão, regime inicial fechado, mais multa de 150 salários-mínimos (cotação da época dos fatos). Na última sexta-feira, 27, o aviso da condenação teve trânsito na 4ª Vara Federal do Amazonas, para que Chhai Kwo Chheng apresente recurso de defesa por carta precatória. Ainda está dentro do prazo legal para que assim o faça.

O processo (nº 2003.8100.012294-1), dentro dos feitos atribuídos a Chhai no Ceará, apurou justamente uma transação financeira ilegal feita entre a Yamacon e a Tudo Máquinas Comércio e Representações Ltda. Valor descoberto de R$ 1.180.000, pela troca de um cheque, realizada no dia 22 de dezembro de 1997. Segundo os autos, a Tudo pertenceria a Chhai e seria “mera empresa de fachada”, usada para escamotear a remessa de cifras para o exterior. Mesmo sob várias evidências, o réu sempre negou tudo. O Ministério Público Federal denunciou que um doleiro foi acionado para mandar o dinheiro para fora do Brasil, porém a Tudo grifou em sua contabilidade que havia usado a quantia para comprar máquinas da Yamacon. Simples assim, conforme a investigação.

Chhai foi desligado da Yamacon em 1998. A saída dele da empresa foi inclusive publicada, em notas pagas, nas edições dos jornais daquele ano. Aqui, só o Banco do Nordeste cobrava dele R$ 36 milhões em 2001. O taiwanês evadiu-se, como conjugam no jargão policialesco. Foi para outras bandas mais ao norte do Brasil. E lá também foi indiciado, acusado, processado e recorre de condenações.

No Maranhão, nos anos da primeira gestão Roseana Sarney, Chhai repetiu as ações quase no mesmo feitio e proporções às do Ceará. Chegou a ser preso, acusado de fraude na instalação do Polo de Confecções da cidade de Rosário. Em Roraima, foi até candidato a senador. Terminou em segundo. Inscrito como “Chinês”, recebeu 28.429 votos. Se eleito, ganharia imunidade parlamentar. Perdeu, escafedeu-se. Há alguns anos, fixou morada em Manaus. Quando surgiu a denúncia deste processo que o condenou, ele já estava lá.

Os também taiwaneses Yu Mao Lin, 49, e Lin Hong Chiu, 38, foram réus no mesmo processo. Apresentavam-se como proprietários da Tudo Máquinas, mas a Justiça não levou a sério a versão. Yu esteve no Ceará apenas entre outubro e dezembro de 1997, mora em Taiwan e sua acusação acabou desmembrada num novo processo – suspenso porque o réu sumiu. É considerado foragido pela Justiça do Brasil. Lin, que assim como Chhai mora no Amazonas, foi condenado com o compatriota. Pena de seis anos e multa de 55 salários mínimos (valores de 1997). E também pode recorrer.”

"Recordar é Viver" - capítulo 5: Roseana petista roxa de hoje já foi tucana de proa em 1994

Em 1964 o jovem deputado federal da UDN/MA, José Sarney, foi um dos primeiros parlamentares a aderir incondicionalmente ao golpe militar.

Como prêmio foi o candidato oficial do presidente Marechal Humberto de Castelo Branco (1964/1967) ao governo do Maranhão em 1965.

Quando Castelo morreu em 1967, Sarney já apoiava o General Costa e Silva (1967/1969) e depois em 1970 era um dos principais seguidores do General Emílio Garrastazu Médici (1970/1974).

Embora não se desse muito bem com o General Golbery do Couto e Silva, que era amigo de Vitorino Freire, seu principal adversário no Maranhão nas décadas de 60 e 70, Sarney se entendeu bem com o General Ernesto Geisel (1975 a 1978) e depois com o General João Figueiredo (1979 a 1985), quando virou presidente nacional do partido dos militares, o PDS.

Em 1984 depois de comandar pessoalmente os esforços no Congresso Nacional para derrotar a emenda das diretas já, Sarney se aproximou do PMDB para ser vice de Tancredo Neves e acabou presidente da República de 1985 a 1990.

Depois ficou dois longos anos sem apoio do presidente Fernando Collor de Mello, de Março de 1990 a Dezembro de 1992. Com o impeachment de Collor em 1992 voltou a ficar ao lado do presidente Itamar Franco de Dezembro de 1992 a Dezembro de 1994.

Na eleição de 1994 apoiou junto com a filha Roseana o tucano FHC. O apoio ao governo do PSDB durou até às eleições de 2002, quando Sarney pai e Sarney filha se tornaram petistas de carteirinha.

Hoje eles usam e abusam da popularidade de Lula e do favoritismo de Dilma Roussef para tentarem ficar mais quatro anos no comando da capitania hereditária do Maranhão.

Na contramão do famoso slogan anarquista: “Hay Govierno, soy contra”, o grupo Sarney cunhou o seu próprio slogan oportunista: “Hay Govierno, sou a favor”.

Neste quinto capítulo da série “Recordar é Viver”, republicamos a parte direita de uma charge de autoria do chargista Cabral, publicada pelo jornal O Estado do Maranhão pertencente aos três filhos de José Sarney (Roseana. Fernando José e Zequinha), na campanha eleitoral de 1994.


Jackson defende metropolização para atacar os problemas urbanos

 
“Paço Lumiar não tem sido feliz em suas administrações municipais. Acredito que, diante da política de metropolização, caberá ao governo do Estado interceder no município, diante da ineficiência da administração”, frisou o candidato ao governo Jackson Lago (PDT), em entrevista Stênio Kavazaki, Antonio Luis e Genival Pereira, na rádio Cultura FM (106,3), no Maiobão, nesta segunda-feira, 30, pela manhã.
  
Ex-prefeito de São Luís por três vezes, o candidato da coligação “O Povo é Maior” (PSDB-PDT-PTC) lembrou que a capital maranhense foi a terceira cidade do país a adotar o Bolsa Escola. O programa consistia em pagar um salário mínimo às famílias para que investissem na qualificação da mão de obra jovem.

“Só isso não resolve o problema da população. Temos que olhar para como criar um ambiente para riqueza dos pobres, isso passa pelo apoio financeiro. Daí criarmos o Fumacop (Fundo de Apoio de Combate à Pobreza) com orçamento de R$ 130 milhões”
, frisou Jackson Lago.

Grandes projetos

“Ficam tentando enganar nossa gente com promessas que não dependem exclusivamente deles”, alertou o candidato ao governo. Ele considerou que a refinaria Premium da Petrobras é importante, dependerá da conjuntura econômica mundial, mas não será a solução para todos os problemas.

Jackson Lago criticou o retorno de grandes projetos como Alumar e Vale para economia das famílias maranhenses. Para ele até hoje, afora a isenção fiscal, esses projetos nada representam para a população pobre do Estado. “Só os grandes projetos sozinhos nada resolverão”, enfatizou. O candidato reavivou na memória dos ouvintes a fábrica de confecção de Rosário que obteve como resultado, a inscrição de 4 mil na lista de inadimplentes em Banco do Nordeste.

Projeto da saúde

“Infelizmente os excelentes serviços da Unidade de Emergência de Presidente Dutra estão sendo prejudicados. Soube que a cardiopatia da UTI do hospital, com equipamentos mais modernos do estado, está sem funcionar. Com isso muitos pacientes são trazidos para São Luís”. afirmou o candidato ao governo do Estado. Jackson Lago ratificou a intenção de dar continuidade ao grande projeto da saúde com construção dos “Socorrões” regionais.

“Tudo que tem na área de saúde em São Luís tem haver comigo”, lembrou o ex-prefeito de São Luís por três vezes, citando as unidades de saúde inauguradas em sua gestão. Ele alertou para o quadro dramático na saúde do Estado com linhas acentuadas pela ausência de saneamento.

Na entrevista, Jackson falou da sua experiência na área de comunicação, lembrando que no final da década de 1970 fundou o jornal alternativo “O Rumo”, que abordava, principalmente, a questão agrária. Foi uma época de grandes conflitos fundiários no Maranhão e período em que o senador José Sarney fez o grilo da “Fazenda Maguary”, no Vale do Pindaré. O periódico, editado em São Luís, foi precursor de outros jornais alternativos no Estado.

Zé Reinaldo concede entrevista à Band de Imperatriz hoje de manhã

O ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), concedeu entrevsita à retransmissora da BAND de Imperatriz que vai ao ar na manhã de hoje, terça-feira, no programa apresentado por Josevan Matos. O programa na Boca do Povo está fazendo uma rodada de entrevistas com os postulantes ao Senado Federal para apresentar aos telespectadores as propostas e o histórico político dos candidatos.

Zé Reinaldo falou sobre o desejo de ser eleito, suas propostas enquanto senador e, também, sobre a falta de representatividade do Maranhão no Senado Federal.  Durante o programa, ele respondeu perguntas do apresentador Josevan Matos e esclareceu temas tidos por alguns como polêmicos. Confira os principais assuntos tratados.

CANDIDATURA AO SENADO0

“São os senadores que ajudam o país a ser governado, por isso a importância deles. Entretanto, os do Maranhão são muito desacreditados e ninguém conhece o trabalho que eles fazem. Eles não aparecem, eles não defendem nada de interesse do Maranhão. Os senadores que representam hoje o estado fazem parte de um grupo político. Vou ser senador do Maranhão porque não devo nada a ninguém e para que o estado saia do domínio do Sarney”, disse Zé Reinaldo.

GOVERNO ZÉ REINALDO

“Meu governo quebrou a tradição porque a maior parte dos governadores saia sem precisar trabalhar. Eu não. Essa questão de honestidade pode ser apontada em toda a minha vida e o Maranhão precisa dar esse exemplo. No meu governo o dinheiro apareceu. Falei ainda há pouco com um empresário e ele disse que naquele período a economia cresceu. Por que? Porque o dinheiro não foi desviado. Na oligarquia são vários escândalos de lavagem de dinheiro. No meu governo, ele foi usado para construir mais de 400 escolas, a ponte aqui de Imperatriz e para outros projetos. O Maranhão precisa de gente que tenha compromisso com o estado e não com o poder”, falou o ex-governador.

FALTA DE REPRESENTATIVIDADE NO SENADO

"Falta quem se interessa pela dignidade do povo. Vou estar perto do povo, reunir nos assentamentos para conhecer as necessidades, ir aos interiores para conhecer a realidade. Vou ser senador que vai prestar conta, vai estar junto com a população para ver os problemas que tem que ser resolvidos e encontrar solução. Sou candidato para defender os interesses do nosso estado",comentou Zé Reinaldo.

PLANOS

“Não penso em ser governador novamente. Estamos vendo o que dá a continuidade no poder. Poder excessivo deforma a pessoa. No Ceará as coisas melhoraram porque mudou a política. O Maranhão é visto como uma terra acovardada com medo de Sarney. Esse negócio de oligarquia, continuísmo não existe. Quero que haja renovação porque vai fazer bem para o estado. É positiva a alternância de poder. Quero servir bem como senador, defender o Maranhão como nenhum outro fez e enfrentar o Sarney de igual para igual”, finalizou Zé Reinaldo.

Vidigal vai ao Sul do Maranhão cumprir agenda de campanha

O candidato ao Senado Edson Vidigal (PSDB) embarca nesta terça-feira para Imperatriz a onde cumpre agenda de campanha ao lado do seu 2.° suplente, o ex-deputado estadual Lula Almeida (PSDB). A viagem tem como objetivo a visitas a lideranças políticas do sul do Maranhão, além da consolidação do nome do ministro como a principal força das oposições na luta por uma das vagas a senador.

Durante três dias , Vidigal pretende visitar vários municípios da região sul, que ele considera uma das mais prósperas do Maranhão, que no entanto é esquecida pelo poder central, localizado na capital São Luís.
 
“É uma região empreendedora que precisa de investimentos para atrair novas empresas e gerar trabalho e renda para a população, e é isso que vou fazer no Senado, aprovar projetos de infra-estrutura, como a duplicação das estradas para permitir o escoamento da produção, etc.”, disse Vidigal.
 
O ex-presidente do STJ também destacou a escolha de Lula Almeida para ser seu suplente,  uma escolha acertada, devido a força política de Lula na região sul, e pelo número de grupos e lideranças que ele agrega na candidatura.
 
Esse Lula é meu companheiro de partido, tem experiência e conhece muito bem a política local, quando coloquei meu nome para o Senado liguei para o prefeito Madeira e perguntei a ele quem me indicaria para ser meu suplente e ele de primeira indicou o nome do Lula”, afirmou Vidigal.
 
O tucano candidato ao Senado embarca para Imperatriz nesta terça-feira e volta a São Luís apenas na sexta-feira.


Vidigal discursa em comício no interior do Estado ao lado de Jackso Lago

Flávio Dino destaca iniciativas para agronegócio e infra-estrutura na região tocantina

O candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, afirmou que concluirá, em seu governo, o zoneamento econômico e ecológico do estado. Segundo explicou Flávio Dino, a iniciativa é importante para beneficiar a produção de alimentos e a agricultura de exportação. "São atividades importantes por serem grandes geradoras de emprego e renda, por isso devem receber apoio prioritário", disse Flávio Dino.

O candidato do PC do B disse ainda que entraves burocráticos emperram um desenvolvimento maior da agricultura no estado. "A região tocantina e o Sul do estado precisam que entraves burocráticos sejam removidos para garantir que tanto a agricultura de exportação quanto a agricultura familiar tenham espaço para crescer, com garantia de assistência técnica e escoamento da produção. Vamos ter ações de governo que levem isso em consideração", afirmou Flávio Dino.

Infraestrutura

Como parte das ações para garantir geração de emprego e renda e o crescimento da atividade agrícola no estado, Dino também destacou os investimentos em infra-estrutura da região. Ele ressaltou iniciativas como a construção da ponte que, em Imperatriz, liga o Maranhão ao Tocantins e reforçou a importância de uma malha ferroviária e rodoviária eficazes.

O candidato destacou ainda que, embora a região tenha uma boa malha ferroviária e as rodovias federais estejam em boas condições, as estradas estaduais merecem atenção especial, já que várias delas, disse Flávio Dino, estão em péssimas condições."Para a economia gerar riqueza para todos, precisa crescer. É por isso que considero fundamental o investimento em infra-estrutura e transporte", disse Flávio Dino.

Recepção é calorosa no aeroporto de Imperatriz

É a quarta visita de Flávio a Imperatriz desde o início da campanha. O candidato da coligação Muda Maranhão chegou a Imperatriz por volta das 14h30, em vôo vindo de Brasília. Ele foi recebido no saguão do aeroporto por numerosos militantes e lideranças políticas, dentre elas vários petistas. Sob muitos aplausos e gritos de "Renovação, Renovação, Flávio Dino vai mudar o Maranhão", o candidato acenou positivamente e cumprimentou o grupo.




Do lado de fora, carros de som já esperavam o candidato. O grupo já saiu do terminal do aeroporto em carreata (foto acima). A fila de carros percorreu o bairro da Vilinha, cumprimentando a população. De lá, Flávio e sua comitiva seguiram para Açailândia, onde caminharam pela Vila Ildemar.

Na terça-feira, toda a programação deverá ser na cidade de Imperatriz. Flávio deverá caminhar pelos bairros do Bacuri, Vila Lobão, Vila Nova e Santa Rita. À noite, participa de cerimônia de lançamento do site do candidato ao Senado pelo PCdoB, Adonilson Lima.

Agenda de Jackson Lago para hoje, terça-feira

Terça-Feira, 31 de Agosto: 
 
10:30h - Participa de  Sabatina no Imparcial Online

15:30h - Recebe lideranças no comitê central de campanha
 
19:00h - Se reúne com lideranças da zona rural de São Luis

Agenda de marcos Silva, do PSTU, para hoje, terça-feira

31 de agosto (terça-feira)


Manhã: Participa do lançamento do filme "Não Vale" organizado pelo Movimento Justiça nos Trilhos no auditório do CCSA- UEMA a partir das 9h 30min.


Tarde: Participa de caminhada pela Rua Grande que lança a Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade da Terra a partir das 16h.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Agenda de Flávio Dino para amanhã, terça-feira

31 de agosto de 2010

IMPERATRIZ
 
MANHÃ

Caminhada no bairro Bacuri

Caminhada na Vila Lobão

TARDE

Caminhada na Vila Nova

Caminhada no bairro Santa Rita
 
NOITE

Lançamento do site do candidato ao Senado Adonilson Lima (PCdoB);e

reunião com médicos

DESCASO PELO POVO MARANHENSE NA PROPAGANDA POLÍTICA

Recebi este email de um amigo que recebeu a mensagem abaixo diretamente do professor de Filosofia Jorge Leão. Ele está indignado com a propaganda em que Lobão pede voto para João Alberto e João para Lobão, como se ainda existisse voto vinculado só no Maranhão.

Leia postagem do professor Leão:

"Ao ver a cínica propaganda dos candidatos a senador Lobão e João Alberto, me perguntei: somos nós os idiotas por vermos tal cena, ou esses caras estão brincando com a minha cara mais uma vez?...

É lastimoso ver que nossa miséria social ainda serve de palanque eleitoral para personagens como esses no cenário político maranhense e nacional. As mesmas figuras carimbadas de sempre a nos dizer: “olhem como nós vamos fazer essa palhaçada e vocês vão de novo votar na gente”...

Nada mais revoltante do que ser tratado como títere, um boneco de manipulação política. Eles, os mesmos candidatos de sempre, que agora vêm às nossas casas para fazer gracinhas, e morrer de rir de nosso analfabetismo político, que é a razão de ser da sobrevivência de figuras como essas em nossa política.

Um pouco de vergonha na cara nos intimaria a sermos mais severos em nossas escolhas no dia da eleição, para que nosso nariz não fique mais uma vez avermelhado de tanto sorriso sem graça.

E de sorriso sem graça, e poeira na cara, o Maranhão anda farto. As notícias daqui, quando se chega a qualquer lugar no Brasil, são sempre as mesmas: “vocês são lá da terra do Sarney, não é?”

Nada mais lastimoso do que ser maranhense sob o estigma do atraso social e da miséria política.

Enquanto vivemos e vemos mais uma vez a política dos carros de som fazendo toda a diferença, o povo, empobrecido pelo vampirismo oligárquico que nos massacra há mais de quarenta anos (somados os trinta anos de vitorinismo), padece mais uma vez pela chaga do voto de cabresto, que além da pouca amplitude política, mantém a relação podre de dependência com o poder econômico e da fétida promiscuidade com os magistrados do judiciário.
Maranhão, terra de um dono só, e de vários mandatários. Até quando continuarás sendo alvo de chacota dos mais abastados, e da vil ignorância de teus filhos?

Esse desabafo pode parecer inócuo aos olhos de nossos candidatos, mas é o mínimo de reação que o meu espírito de indignação por ora é capaz de oferecer.

Jorge Leão
Professor de Filosofia do IFMA – Campus Monte Castelo"

"Recordar é Viver" - capítulo 4 - Discurso de posse de José Sarney no governo do Maranhão em 1966

No quarto capítulo da série “Recordar é Viver”, vamos relembrar o discurso de José Sarney quando tomou posse no governo do Maranhão no início de 1966, eleito em 1965 com 121.062 votos pela UDN/MA.

Vamos assistir a um vídeo com uma curta metragem de pouco mais de dez minutos, dirigida por Glauber Rocha e produzida por Luís Carlos Barreto e Zelito Viana.

No vídeo de 1966, Sarney faz um contundente discurso contra a fome, a miséria, o analfabetismo, a mortalidade infantil, a falta de indústrias e empregos no Maranhão daquela época.

Ele encerra seu discurso emocionado e muito aplaudido pela população que lotou a Praça Dom Pedro, em frente ao Palácio dos Leões e do Tribunal de Justiça do Maranhão.

Suas últimas palavras foram: “Vivo a paixão desse governo novo...Vivo todas as horas, todos os minutos, todos os dias...Paixão que hoje é alegria e é sorriso, mas que amanhã é trabalho e perseverança para construir um Maranhão de liberdade, de grandeza e de felicidade.”

Vejam o vídeo e compare com as promessas feitas 28 anos depois por sua filha Roseana Sarney, na campanha eleitoral de 1994.

E agora em 2010, Roseana diz que o povo maranhense quer é alegria e desenvolvimento e diz que só ela poderá garantir esse novo eldorado em que o Maranhão vai se tornar.

Em 1966, Sarney prometeu industrializar o Maranhão para criar empregos para o povo faminto, pobre e miserável da nossa terra. Prometeu construir hospitais para tratar da malária, do beribéri, da tuberculose e diminuir a mortalidade infantil. Prometeu acabar com o analfabetismo e combater a corrupção e realizar um governo honesto!

Em 1994, sua filha Roseana Sarney prometeu atrair indústrias, criar o distrito industrial de Perizes, em Rosário, e outros distritos em Bacabal, Santa Inês, Açailândia e Caxias. Prometeu instalar a siderúrgica para beneficiar o minério de ferro que sai em estado bruto do Maranhão. Prometeu instalar 60 mil kit’s sanitários no interior do Estado com caixa de água, torneira, privada, chuveiro e fossa. Prometeu construir centenas de escolas e hospitais. Prometeu instalar a indústria pesqueira no Maranhão e transformar o estado num “tigre asiático”.

Agora em 2010, Roseana Sarney promete uma “revolução na educação”. Ela promete atrair cem bilhões de reais em investimentos industriais (R$ 100.000.000.000,00) e criar duzentos mil novos empregos.

As indústrias de Sarney de 1966 e o Distrito Industrial de Perizes e a siderúrgica de Roseana de 1994, agora se transformaram, tal qual um passe de mágica, na refinaria da Petrobrás em Bacabeira e na exploração de gás em Capinzal do Norte.

Veja o vídeo de Glauber Rocha de 1966, leia e assista neste blog os próximos capítulos de “Recordar é Viver” com as promessas de Roseana Sarney na campanha eleitoral de 1994 e compare com as promessas que estão sendo feitas na campanha eleitoral de 2010.

Será que dá para acreditar na gente desta família?

Confira:


Vice-Procuradora Federal encaminha ao TSE parecer que pede a impugnação do registro da candidatura de Roseana Sarney

A Vice-Procuradora Geral Eleitoral Sandra Cureau ofereceu ontem parecer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) favorável à ação de impugnação à candidatura de Roseana Sarney e pede que o TSE indefira o registro por considerar a candidata ficha-suja.

A ação foi proposta por Aderson Lago perante o TRE-MA, que absolveu Roseana e deferiu a candidatura. Lago, que é candidato a deputado estadual, interpôs recurso ao TSE.

A coligação de Roseana ainda entrou com um incidente processual perante o TRE pedindo a prisão de Aderson Lago por ter impugnado a candidatura.

O TRE rejeitou esse pedido da coligação, mas o processo só chegou ao TSE na última sexta-feira, 27 de Agosto. Em parecer divulgado neste domingo, a procuradoria pede o indeferimento do registro de candidatura de Roseana

domingo, 29 de agosto de 2010

"Recordar é Viver" - capítulo 3 - O pólo de produção de Rosário

No terceiro capítulo da série "Recordar é Viver" vamos exibir o vídeo do programa do candidato do PC do B, PSB e PPS ao governo do Maranhão, deputado Flávio Dino, que foi ao ar na quarta-feira passada à noite,.

O vídeo relembra o caso do pólo têxtil de Rosário acontecido em 1996, quando um empresário chinês chamado Chhae Kwo Chheng, foi trazido do Ceará por Jorge Murad, marido e secretário de Planejamento de Roseana Sarney, para implantar um pólo de confecções na cidade de Rosário.

Chheng prometeu trabalho e renda para quase cinco mil humildes moradores da região do Munin, a maioria mulheres. O chinês organizou 90 grupos de trabalhadores com 40 a 50 membros cada, que levantaram cerca de U$ 24 milhões junto ao BNB, com três anos de carência e cinco anos para pagar as prestações.

Chheng, com a ajuda de técnicos do governo estadual, fraudou quase 300 cartas-convite e comprou junto à empresa Yamacon do Nordeste, cujo sócio era ele mesmo, mais de cinco mil máquinas de costura superfaturadas, obsoletas e ultrapassadas.

No ano de 1996 foi organizada uma empresa de nome Kao I para qualificar as costureiras e Roseana e Jorge conseguiram trazer o então presidente FHC em dezembro de 1996 para inaugurar uma indústria têxtil que nunca funcionou.

Propagandas do governo Roseana anunciaram 4.500 novos empregos em Rosários em out-door’s, anúncios de jornal e propaganda nas emissoras de tv e nas rádios do Maranhão.

Mas o pólo têxtil não passou da propaganda. O chinês fugiu do Maranhão em 1997, a carência do empréstimo acabou e a inadimplência foi total.

Das promessas de emprego e renda feitas por Roseana sobraram só os nomes sujos de pessoas humildes no SPS e na SERASA e a inadimplência no BNB que impede até hoje que essas pessoas humildes tenham direito a qualquer tipo de crédito.

Roseana Sarney, Jorge Murad e Chhae Kwo Chheng não passaram de vendedores de ilusão!

Veja o vídeo do programa de Flávio Dino exibido na noite da última quarta-feira:


Flávio Dino liderou mais uma grande carreata hoje na Cidade Operária e Cidade Olímpica, em São Luís

 
O candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, liderou hoje mais uma grande carreta )fato abaixo) pelas ruas da Cidade Operária e Cidade Olímpica. Foram quase três horas de atividade e centenas de carros acompanhando o candidato da Coligação Muda Maranhão.





 
“Aqui está o termômetro da minha candidatura. A resposta da população com acenos e sinal de positivo na Cidade Operária reafirma o sentimento de renovação, de mudança, que observamos também nas viagens pelo interior do nosso estado”, diz Flávio entusiasmado com a boa aceitação a mais essa atividade de campanha de sua candidatura. O candidato veio direto do interior do estado onde cumpria mais uma agenda de campanha para liderar a carreata da Cidade Operária.
 
Para o coordenador da campanha de Flávio Dino em São Luís Geraldo Castro, a carreata deste domingo na Cidade Operária expressa o sentimento que toma conta de todos, que é o crescimento da campanha. “Há uma vigorosa aceitação de toda a população”, garante Geraldo Castro. De acordo com o coordenador, a meta, agora, é intensificar ainda mais a campanha de Dino em São Luís e garantir a vitória em outubro.
 
A aceitação ao nome de Flávio segundo Geraldo Castro, tem crescido a cada atividade de rua. É comum, segundo ele, as pessoas pararem seus carros para abraçar e cumprimentar o candidato. Foi assim na carreata realizada na Cohab, na última quarta-feira, e foi assim neste domingo na Cidade Operária e na Cidade Olímpica.

Durante o percurso muitas pessoas acenavam para Flávio e faziam sinal de positivo. “Estamos muito confiantes de que vamos sair vitoriosos em outubro e estamos demonstrando isso com maus uma carreata de grande adesão”, afirmou Flávio Dino.
 
Nesta segunda-feira, Flávio Dino retorna ao sul do estado. Ele participará de diversas atividades de campanha em Imperatriz e Açailândia. Serão caminhadas, carreatas e reuniões na região onde ele fica até esta terça-feira. Amanhã a coordenação de campanha realiza mais uma plenária da militância a partir das 18h no comitê da Beira-Mar.

Zé Reinaldo enumera erros do Ibope no Maranhão

O candidato a senador José Reinaldo Tavares (PSB), criticou a pesquisa do Ibope e comparou o cenário atual ao de 2006, quando os números divulgados em todas as rodadas de pesquisas feitas pelo mesmo instituto apontaram vitória de Roseana Sarney em primeiro turno. A eleição foi decidida em segundo turno e a filha de Sarney foi derrotada por Jackson Lago (PDT). A pesquisa de intenção de votos para governador do Maranhão, realizada pelo Ibope, foi divulgada na sexta-feira, 27, pela TV Mirante, de propriedade da família Sarney.

“Vamos votar no Flávio Dino que é candidato a governador e vai vencer as eleições. Porque ela (Roseana Sarney) só cai e só Flávio cresce. Em 2006, o Ibope colocava: ‘Roseana ganha em 1º turno com 70%. Olha o desespero, vão colocá-la lá em cima e o Flávio lá em baixo. Mas é mentira, não acreditem. É essa brincadeira que atrapalha o Maranhão”, criticou o ex-governador.

Zé Reinaldo citou o extenso histórico de erros do Ibope nos prognósticos eleitorais no Maranhão. Nas eleições para governador do Estado, em 2006, o Ibope também foi contratado pela TV Mirante para avaliar o cenário das intenções de voto no Maranhão. Todas as pesquisas foram desmentidas pelas urnas.

Uma delas, publicada por “O Estado do Maranhão” em 14 de agosto daquele ano, afirmava que “70% dos maranhenses dão como certa vitória de Roseana Sarney”. Jackson Lago (PDT), eleito governador no segundo turno daquele ano, aparecia com tímidos 12% dos eleitores.

Com levantamento também em São Luís, o Ibope mostrou que em 9 de julho de 2006, Roseana tinha 41% dos eleitores da capital, subiu para 53% em 12 de agosto e em 24 de agosto/06, já tinha 54%. O candidato pedetista, nos mesmos períodos, oscilou negativamente de 30% para 29% e, por último, para 27%. Após a apuração dos votos a derrota de Roseana Sarney em São Luís foi acachapante.

Dia 27 de agosto/06, o Ibope disse registrar novo crescimento de Roseana após início de campanha na TV. A matéria afirmava que se as eleições fossem naquele dia, Roseana Sarney  seria eleita no 1º turno com uma grande diferença sobre os demais candidatos. Pesquisa apontava  a tendência de crescimento após o início da propaganda eleitoral no rádio e na TV e chegou aos 66% das intenções de voto. Seu adversário mais próximo, Jackson Lago (PDT) aparecia com 20%, 46 pontos percentuais atrás da candidata pefelista.

Outra pesquisa do mesmo instituto, em 1º de setembro/06, dizia que estava consolidada a candidatura de Roseana Sarney ao Governo do Estado. No ‘voto espontâneo’, aquele em que o eleitor se manifesta antes de se ver diante da relação de candidatos, ela estaria naquela data com 47%, quase cinco vezes mais do que Jackson Lago.

ERRO NA DISPUTA PELO SENADO

Outro erro do Ibope, em 29 de agosto/06, uma pesquisa sobre o cenário estimado para as eleições do Senado, apontou o candidato do PT Bira do Pindaré como o mais rejeitado entre os postulantes. Nas urnas, ele apareceu com mais de 500 mil votos e foi a grande surpresa da eleição.

Dia 13 de agosto/06, o Ibope divulgou que a candidata Roseana aumentava sua vantagem sobre Jackson Lago, chegando a 70% dos votos válidos. O candidato da “Frente de Libertação do Maranhão”, Jackson Lago, ficaria em segundo lugar, com 21% dos votos, uma diferença de 42 pontos percentuais em favor da senadora. Segundo a pesquisa, Roseana Sarney venceria no primeiro turno.

Assim como na pesquisa divulgada recentemente, na época o Ibope afirmou que a filha de Sarney liderava em São Luís. Segundo o instituto, na capital a candidata Roseana Sarney teria 53% das intenções de voto, contra 29% do ex-prefeito Jackson Lago, o que também foi descartado nas urnas no dia das eleições. Roseana foi derrotada por grande margem de votos na capital.

SÃO LUÍS 2008

Em 2008, por exemplo, o instituto realizou pesquisa em que apontava João Castelo (PSDB) com 46% das intenções de votos, enquanto Flávio Dino (PCdoB) aparecia com 24%. Ao término da apuração, Flávio Dino foi para o 2° turno com 34% dos votos. Ou seja, 10 pontos percentuais a mais que o índice previsto pelo Ibope.

BOICOTE

Zé Reinaldo voltou a criticar a falha na transmissão dos programas eleitorais de candidatos da oposição, em especial ao de Jackson Lago (PDT) e Flávio Dino. Na quarta-feira passada, um ruído impediu que os expectadores entendessem o áudio nos vídeos.

“Eles comandam o sistema de televisão o ano inteiro e não deixam a gente falar. Na hora que podemos, também não deixam.É um povo que só vai no tapetão. Em uma caminhada no Monte Castelo, uma senhora perguntou se tínhamos visto a propaganda em que ela [Roseana Sarney] cozinha carne moída e quiabo e comparou: ‘Nós somos a carne porque estamos moídos com o governo dela e quiabo porque estamos todos lisos’. Flávio é o candidato que o Maranhão está esperando, vamos dar uma chance ao nosso estado”, disse Zé Reinaldo.

Agenda de Flávio Dino para amanhã

AGENDA DE FLÁVIO DINO PARA ESTA SEGUNDA-FEIRA, DIA 30 DE ABRIL
 
14H - IMPERATRIZ

16H30 -AÇAILÂNDIA

Fundo de Previdência do Estado ainda é o mesmo?

O jornalista e amigo Luís Cardoso postou hoje uma matéria sobre o Fundo Previdenciário do Estado do Maranhão que até a gestão de Luciano Moreira à frente da Secretaria de Administração do Estado, em março passado, possuia cerca de R$ 70 milhões depositados.

Leia a postagem de Luís Cardoso:

"Tenho recebido denúncias de que o Fundo de Previdência do Governo do Estado do Maranhão caiu no fundo…do poço.

Quando a Assembléia Legislativa aprovou modoficações no fundo, os cofres estavam abarrotados, com mais de R$ 70 milhões.

Os denunciantes sugerem que alguma mão passou por lá e teria levado boa parte da grana. E insinuam que foi exatamente dias antes da saída do secretário Luciaono Moreira.

Então, não custa nada perguntar ao atual secretário de Administração e Previdência do Estado: Os R$ 70 milhões ainda estão lá depositados? "

Jackson prevê 2.° turno e diz que oposição unida irá derrotar Roseana

O blog do amigo John Cutrim publicou hoje uma entrevista feita pela equipe do Jornal Pequeno com o ex-governador Jackson Lago.

Leia a postagem de John Cutrim:


"O candidato da coligação “O Povo é Maior”, o ex-governador Jackson Lago (PDT), está convencido de que, no próximo mês de outubro, haverá um segundo turno na disputa pelo governo do Maranhão. Ele acredita que a união das forças de oposição irá assegurar uma vitória definitiva sobre o grupo Sarney. Sobre este embate, Jackson afirma que a governadora Roseana Sarney “deve ser avaliada pelo que ela é: a marca de fantasia do grupo Sarney”. Segue abaixo a entrevista com o candidato ao Governo do Estado que aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto. A ele foram enviadas perguntas por e-mail. Leia agora as respostas:

Jornal Pequeno– Que avaliação o senhor faz do atual estágio da campanha às eleições de outubro no Maranhão?

Jackson Lago – A campanha segue seu curso normal, em ritmo crescente, dentro das nossas expectativas, especialmente depois que a população vem tomando conhecimento do rosário de mentiras a que foi submetida depois da minha deposição. Quiseram fazer crer que meu governo nada fez, mobilizando o aparato de comunicação de que dispõem para mentir e caluniar. À medida em que o povo for tomando conhecimento da verdade, a campanha crescerá.

JP – Que propostas o senhor defende para mudar a situação do Maranhão, marcada por indicadores sociais e econômicos tão negativos?



Jackson Lago – Tenho dito que o Maranhão precisa de um choque de democracia. Ou seja, maior participação popular, maior presença nos conselhos de saúde, educação, segurança etc. É preciso alargar os sistemas de controle social. No plano econômico, é necessário inverter a lógica que tem presidido a instalação de grandes empreendimentos que não são mais do que enclaves econômicos, sem capacidade de gerar cadeias produtivas. No meu Governo criei condições favoráveis à implantação de grandes empreendimentos, submetidos a protocolos de respeito ambiental e compromissos sociais. Do contrário nossas riquezas, como o gás de Capinzal, que meu Governo licenciou, servirão apenas para tornar ricos os mais ricos, aprofundando o fosso da desigualdade social.

JP– O senhor acredita que, com o crescimento dos candidatos da oposição, haverá um segundo turno na eleição para o governo do Estado?


Jackson Lago – Não tenho a menor dúvida. Assim como não tenho qualquer dúvida de que a oposição estará unida no segundo turno.

JP – O senhor ganhou a eleição para governador em 2006, mas teve seu mandato cassado. Que avaliação o senhor faz hoje deste episódio, que teve graves repercussões na vida política do Estado?


Jackson Lago – Foi a mais violenta agressão à vontade popular em toda a história do Maranhão. Ainda mais perversa pois acobertada por um processo judicial forjado. Mas o povo tem agora a oportunidade de novamente dizer se quer o Maranhão livre ou submisso à vontade imperial de uma família.

JP – Em 2006, o senhor apoiou Lula como candidato à Presidência da República. Por que, nestas eleições, a opção pelo PSDB e por José Serra?

Jackson Lago – Eu apoiei Lula em toda a minha trajetória de militante social, até o momento em que ele abdicou de sua biografia para se unir aos opressores do Maranhão. Nestas eleições Lula está do lado dos que nos cassaram e violentaram a vontade popular. Já o PSDB sempre foi oposição no Maranhão, no passado contrariando até mesmo os interesses da sua direção nacional. Nada mais natural e coerente do que estarmos ao seu lado e ao lado daqueles que não se curvaram ao poder da oligarquia.

JP – De que forma a sua campanha pode ser utilizada para denunciar a realidade social do estado?

Jackson Lago – A realidade social salta aos olhos. O que precisamos denunciar é a espiral de silêncio e mentira que funciona como um véu sobre as consciências das pessoas. É um círculo vicioso de desinformação, péssima oferta educacional e fantasia publicitária que acoberta nossa triste realidade.

JP – Qual a avaliação que o senhor faz das candidaturas ao Senado: Lobão, João Alberto, Zé Reinaldo, Vidigal, Roberto Rocha, Professor Adonilson etc?

Jackson Lago – A avaliação que faço é de que Sarney tem três senadores e o Maranhão não tem nenhum. É absolutamente imperativo que o Maranhão eleja senadores que tenham compromisso com a defesa do Estado, e não de um grupo político. Tanto Edson Vidigal quanto Roberto Rocha, candidatos da nossa coligação, tem os atributos para essa nobre missão.

JP – Qual sua análise da atual representação do Maranhão no Senado? Cafeteira? Mauro Fecury? Sarney?

Jackson Lago – A sua pergunta revela o que as pesquisas demonstram. De que ninguém sabe ao certo quem são os atuais senadores do Maranhão. Afinal, Sarney foi eleito pelo Amapá e você não mencionou Lobão Filho. Esse lapso responde por si só a sua pergunta e mostra o grau de atuação dos nossos senadores, que em sua maioria são suplentes.

JP – Como o senhor avalia as demais candidaturas ao governo, especialmente as de Roseana Sarney e Flávio Dino?

Jackson Lago – Roseana Sarney deve ser avaliada pelo que ela é: a marca de fantasia do grupo Sarney. Já eu e o Flávio estamos no lado oposto ao dela.

JP – Como o senhor analisa as recentes pesquisas sobre os candidatos ao Senado e ao governo do Maranhão?

Jackson Lago – Pesquisas são diagnósticos, não são prognósticos. Assim devem ser analisadas. Se eu acreditasse em pesquisas, nunca teria vencido uma eleição. O nosso eleitor, que só tem contato com o contraponto de opinião durante o período eleitoral, tende a se manifestar tardiamente, depois de um longo processo de maturação que vai dissolvendo o torpor do cenário em que ele vive, sem opinião pública, sem crítica de idéias, sem confronto de posições. Então as pesquisas devem ser lidas à luz dessa realidade.

JP – Qual sua opinião sobre a polêmica que vem se travando em torno da Lei da Ficha Limpa? O senhor acredita que sua candidatura passará no crivo do TSE? E se sua candidatura for barrada, que posição o senhor irá tomar?

Jackson Lago – Sou favorável a toda medida que venha contribuir para o saneamento moral da vida política brasileira. Estou tranqüilo pois o crivo da minha consciência, que é rigoroso, é limpo e de boa fé. Qualquer resultado contrário será uma violência, especialmente considerando que o Maranhão todo sabe quem são os honoráveis fichas sujas do Estado.

JP – Em 2006, diversas expressões da política maranhense, sob a liderança do então governador José Reinaldo, construíram a unidade das oposições, que levou à vitória de Jackson Lago. Ao seu modo de ver, será possível a unidade das oposições para estas eleições, na eventualidade de um segundo turno?

Jackson Lago – Mais que possível, será um imperativo ético, político e moral.

JP – O senhor acredita que, com as eleições de outubro, será possível encerrar o ciclo de dominação do senador Sarney no Maranhão?

Jackson Lago – Sem nenhuma dúvida. E a partir do próximo ano teremos a imensa tarefa de superar o legado de atraso e miséria a que esse ciclo nos condenou."

Agenda do candidato Marcos Silva para amanhã

 
 
Segunda-feira 30 de Agosto de 2010:


Tarde: Participa de gravação de programas de TV


Noite: Participa de reunião para organização do Plebiscito pelo Limite da Terra no Sindicato dos Bancários

Marcos Silva do PSTU visita Imperatriz e constata repúdio a oligarquia Sarney

O candidato ao governo do Estado pelo PSTU, Marcos Silva, esteve em Imperatriz anteontem acompanhado do candidato ao Senado, Noleto e dos candidatos Ramon Zapata e Eloy Natan para participar do primeiro debate entre os candidatos ao Governo do Estado organizado pelo Diretório Central dos Estudantes da UEMA.

Lamentavelmente, as ditas principais candidaturas (Flávio, Jackson e Roseana), frustando e desrespeitando aos estudantes da UEMA de Imperatriz não compareceram ao evento, ainda que o mesmo tenha sido convocado com bastante antecedência. No debate que reuniu vários estudantes, Marcos Silva, do PSTU, e Saulo Arcangeli, do PSOL, debateram várias questões programáticas, entre elas a criação do estado do Maranhão do Sul.

Marcos Silva defende a criação do novo estado do Maranhão do Sul como forma de democratizar os recursos federais para a região que sofre com a ausência quase total de políticas públicas, mas alerta que o Maranhão do Sul não deve nascer à serviço do agronegócio, das grandes empresas e dos politicos mentirosos, sendo uma promessa que só aparece nas campanhas eleitorais de dois em dois anos.

Para evitar isso, Marcos Silva convoca os trabalhadores e estudantes da região para não ter nenhuma confiança nos políticos picaretas e acreditar somente na sua própria força e mobilização para que se faça uma verdadeira reforma agrária no novo estado. "A criação do Maranhão do Sul encontra resistência por parte de Lula e Sarney que não querem perder recursos" afirma Marcos Silva.

Sobre o resultado da pesquisa anunciada pelo IBOPE, Marcos Silva não confia no prognóstico que dá a vitória a Roseana já no primeiro turno. “Nos diversos lugares que já passei seja na capital ou no interior percebemos que é claro o repúdio pela oligarquia Sarney. A juventude deste estado que vem perdendo a esperança no futuro arrancada pelos sucessivos governos da oligarquia repudia esta família”, finalizou o candidato do PSTU.

sábado, 28 de agosto de 2010

Jackson Lago afirma que tem planos para conter fluxo migratório no MA

Em pelo menos dois momentos na noite de ontem o ex-governador Jackson Lago (PDT) certificou-se da coincidência entre o dever ético de reapresentar seu nome para disputar as eleições em outubro e a vontade de grande parcela da população em revalidar seu voto manifestado desde 2006. Foi durante os comícios realizados nos municípios de Pastos Bons e São João dos Patos, ambos rivalizando entre si sobre o maior público presente.



Jackson Lago em Pastos Bons juntos com os candidatos a senador Edson Vidigal e Roberto Rocha


Ao público, formado em grande maioria por jovens, o candidato da coligação “O Povo é Maior” (PDT/PSDB/PTC) acentuou sua proposta de governo voltada para o desenvolvimento, com consciência da promoção da justiça social. Referiu-se, sobretudo, à contenção das ondas migratórias que assolam municípios maranhenses onde a ausência do poder público contribuiu para a quase crônica estagnação econômica.

“As famílias maranhenses, principalmente desta região do sul do Estado, não mais suportam perder seus filhos que partem em busca de oportunidades”, afirmou Jackson. Para o candidato ao governo, a ausência de políticas determinadas a alavancar a economia do Estado anos a fio fez com que o maranhense deixasse sua terra natal em caravanas.

“Lembro-me que na minha infância em Pedreiras, recebíamos um grande número de nordestinos que vinha para aqui procurar trabalho e o sustento às suas famílias. Nas últimas décadas passamos a utilizar a contramão do desenvolvimento, expulsando o maranhense do Maranhão”, ressaltou o pedetista.

Para Jackson Lago muitas vezes é necessário que Estado interfira no mercado com pequenas ações para assim promover a economia de um conjunto de municípios. Para a grande multidão presente na Praça Diolino, no Poeirão, o candidato citou a construção da estrada entre Pastos Bons e Sucupira do Norte, um trecho de apenas 25 quilômetros, que constava nos planos da segunda metade de seu governo. A estrada faz parte do rol de conquistas que o vereador Gonzaga, o Dada, um eleitor de Jackson Lago, incorporou entre suas lutas no município.





Em São João dos Patos, o universitário Josué (UEMA) verbalizou sua ansiedade, semelhante a de outros jovens do município e da região, num manifesto pela volta de Jackson Lago ao governo do Estado. Recebido em uma grande, carreata organizada pelo candidato a deputado estadual Neto Evangelista (PSDB), e por Paulo do Zeca, ex-candidato a prefeito do município, Jackson Lago (foto acima) ratificou ações do Plano de Ação Imediata para milhares de pessoas.

Em municípios como São Domingos do Azeitão, Pastos Bons e São João dos Patos o fluxo migratório é constante e crescente. É justamente às sextas-feiras, que ônibus fretados e outros de linha partem carregando jovens em idade economicamente ativa para o sudeste do país. O destino tem se ampliado. Além de São Paulo, espécie de Meca da emigração maranhense, muitos descobriram recentemente outro destino: a indústria de confecção de Blumenau (Santa Catarina).

“Muitos desses jovens deixam suas casas, seu lar e família, sem qualquer qualificação profissional. Encontram dificuldades em outras terras, distantes de seu lar. Por isso, precisamos de uma urgente atenção à educação, a profissionalização de nossa juventude para não nos dispersarmos”, destacou o candidato.

Vidigal recebe apoios em São João dos Pastos e Pastos Bons

Cada vez mais recebendo adesões a sua candidatura o candidato ao senado Edson Vidigal (PSDB) da coligação O Povo é Maior , recebeu mais apoios no sertão maranhense neste final de semana. Em São João dos Pastos o apoio veio da família Evangelista e de Paulo Lima, candidato a prefeito em 2008 .

Neto Evangelista filho do ex-presidente da Assembléia Legislativa João Evangelist, candidato a deputado estadual garantiu apoio incondicional à candidatura do ministro.

Em Pastos Bons o apoio foi do vereador Luis Gonzaga (PDT) e de sua esposa, “estou recebendo apoio de lideranças representativas e respeitadas em toda a região. Juntos faremos um grande mandato para o Senado Federal” disse Vidigal.

O ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça lembrou que um dos maiores problemas do sertão maranhense é a falta de água e que vai trabalhar para garantir um grande projeto de capitação e abastecimento, garantindo água de qualidade para toda a população. “Não se resolve esse problema de abastecimento com postos artesianos , mas sim com projetos de envergadura que possam capitar água e abastecer todos esses municípios” explicou o ministro.

Em São João dos Pastos, Vidigal recebeu a adesão da família do ex-deputado estadual João Evangelista que faleceu em maio deste ano, e que agora tem em seu filho Neto Evangelista o seu sucessor. Outra liderança do município que também aderiu à candidatura do ex-presidente do STJ, foi o candidato a prefeito nas últimas eleições Paulo Paraguassu Mousinho Lima (PDT) que obteve 49,90% dos votos válidos.

Para Vidigal a adesão dessas lideranças no interior, comprova o acertado direcionamento da campanha.

“Conforme nossa candidatura agrega mais lideranças ela cresce, pelas nossas propostas apresentadas que são bem aceitas. Nos interiores essas pessoas fazem a diferença, pois viram os nossos interlocutores perante os eleitores, quando esse apoio vem de pessoas como o grande líder Paulo Lima e da família de um político como o saudoso João Evangelista é sinal de que algo de muito bom nos aguarda no dia 03 de outubro” afirmou Vidigal.  

Flávio Dino defende que exploração de gás em Capinzal do Norte traga riqueza para maranhenses

O candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, fez na noite de sexta-feira, 27, um grande comício na cidade de Dom Pedro. Lideranças e moradores de mais de uma dezena de cidades próximas foram até Dom Pedro para participar da atividade. Antes do comício, Flávio Dino liderou uma grande carreata que passou por várias ruas da cidade.

Bandeirolas, carros de som, inúmeras motocicletas e apitaço marcaram a passagem de Flávio Dino pelas ruas da cidade, que acenava para todas as pessoas. Várias casas exibiam nas portas cartazes com a foto e o número do candidato.

Em Dom Pedro, Flávio Dino defendeu a necessidade de que a reserva de gás natural recentemente descoberta em Capinzal do Norte, seja aproveitada em benefício de todos os maranhenses. "Se não tivermos um governo com prometido com a saúde, a educação e o bem estar do povo do Maranhão, o dinheiro e as oportunidades que vierem com a exploração dessa reserva vão todos para fora do Maranhão, vão ficar para poucos e para gente de fora daqui", disse ele.



Flavio Dino discursa no comicio realizado ontem de noite em Dom Pedro


Flávio Dino disse que, em seu governo, pretende dar qualificação profissional aos maranhenses para aproveitar a oportunidade e trabalhar, e ainda, que a exploração seja feita respeitando todas as leis ambientais.

Em seu discurso, Flávio Dino criticou ainda a gestão da atual governadora do estado, mencionando novamente os R$30 milhões que, segundo os dados apresentados por Flávio, já foram gastos esses ano com propaganda. "ela gastou com propaganda cinco vezes mais do que gastou com saneamento, por exemplo. E o Maranhão é o último estado do país em número de residências com saneamento básico. Um gasto imenso, mas o povo não pode morar na propaganda, não pode cuidar da saúde na propaganda, não pode estudar na propaganda", criticou.

Em Dom Pedro, Flávio Dino recebeu ainda o apoio de várias lideranças da região. No sábado, 28, Flávio Dino seguiu para Caxias, Coelho Neto, Parnarama e Matões. No domingo, retorna a São Luís, onde lidera mais uma grande carreata pelos bairros da Cidade Operária e Cidade Olímpica, seguindo depois para a região tocantina.

Zé Reinaldo critica pesquisa do Ibope e lembra eleição de 2006

O ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), criticou a pesquisa do Ibope e comparou o cenário atual ao de 2006, quando os números divulgados pelo mesmo instituto apontaram vitória de Roseana Sarney em primeiro turno, realidade avessa à constatada no dia das eleições. A pesquisa de intenção de votos para governador do Maranhão, realizada pelo Ibope, foi divulgada ontem pela TV Mirante, de propriedade da família Sarney.

“Vamos dar seriedade ao nosso estado, vamos votar em quem tem compromisso. Vamos votar no Flávio Dino que é candidato a governador e vai vencer as eleições. Porque ela (Roseana Sarney) só cai e só Flávio cresce. Em 2006, o Ibope colocava: ‘Roseana ganha em 1º turno com 70%. Olha o desespero, vão colocá-la lá em cima e o Flávio lá em baixo. Mas é mentira, não acreditem. É essa brincadeira que atrapalha o Maranhão”, criticou o ex-governador, durante grande comício na cidade de Dom Pedro.

De acordo com a pesquisa, a candidata Roseana Sarney (PMDB) lidera a disputa com 47%. Em segundo está o candidato Jackson Lago (PDT) com 25%. Em seguida, Flávio Dino aparece com 13%. Tendo participado de outras pesquisas no estado, o Ibope tem um extenso histórico de erros nos prognósticos eleitorais no Maranhão.

Em 2008, por exemplo, o instituto realizou pesquisa em que apontava João Castelo (PSDB) com 46% das intenções de votos, enquanto Flávio Dino (PCdoB) aparecia com 24%. Ao término da apuração, Flávio Dino foi para o 2° turno com 34% dos votos. Ou seja, 10 pontos percentuais a mais que o índice previsto pelo Ibope.
BOICOTE

Zé Reinaldo voltou a criticar a falha na transmissão dos programas eleitorais de candidatos da oposição, em especial ao de Jackson Lago (PDT) e Flávio Dino. Na quarta-feira passada, um ruído impediu que os expectadores entendessem o áudio nos vídeos. “Eles comandam o sistema de televisão o ano inteiro e não deixam a gente falar. Na hora que podemos, também não deixam. É um povo que só vai no tapetão", disse Zé Reinaldo.

Em uma caminhada no Monte Castelo, uma senhora perguntou se tínhamos visto a propaganda em que ela [Roseana Sarney] cozinha carne moída e quiabo e comparou: ‘Nós somos a carne porque estamos moídos com o governo dela e quiabo porque estamos todos lisos’. Flávio é o candidato que o Maranhão está esperando, vamos dar uma chance ao nosso estado”, disse Zé Reinaldo.

Neste sábado, 28, os candidatos da Coligação Muda Maranhão participam de atividades nas cidades de Caxias, Coelho Neto, Parnarama e Matões. No domingo, uma grande carreata agitará as ruas da Cidade Operária, no retorno a São Luís.

"O termômetro da minha campanha é a rua”, diz Flávio Dino

“Não me atenho à pesquisa. O termômetro da minha campanha é a rua e a rua está ótima”. Assim o candidato ao governo do estado pela Coligação Muda Maranhão, Flávio Dino, reagiu ao levantamento do IBOPE sobre as eleições maranhenses divulgado na noite desta sexta-feira. O candidato disse estar confiante de que estará no segundo e vencerá as eleições e lembrou que sondagens sobre a intenção de votos nunca se confirmaram em votações anteriores no estado.

O instituto acumula no Maranhão uma série de erros. Em 2006, por exemplo, o prognóstico do Ibope mostrava que as eleições seriam decididas no primeiro turno. Ao contrário, houve segundo turno. Em 2008, na disputa pela Prefeitura de São Luís, mais uma vez o Ibope errou. Naquela ocasião, a sondagem indicava que a eleição seria mais uma vez decidida do primeiro turno. No entanto, a disputa foi para o segundo turno.

Ontem foi realizada a primeira plenária dos apoiadores de Flávio Dino. O objetivo da reunião é mobilizar a militância. Os encontros acontecerão toda semana. “Nesses encontros trocaremos idéias sobre a condução da campanha de Flávio Dino e vamos ao mesmo tempo mobilizar a nossa aguerrida militância para fazer que a nossa candidatura seja vitoriosa”, explicou Geraldo Castro, que coordena a campanha de Flávio em São Luís.

Recordar é Viver - capítulo 2 - "A revolução na Educação"

Dando continuidade à série "Recordar é Viver", vamos abordar hoje o tema Educação.

Enquanto o ex-governador Jackson Lago, do PDT, contruiu 173 escolas novas em dois anos, três meses e dezessete dias de mandato, a governadora biônica Roseana Sarney prometeu em seu programa de tv na última quarta-feira que em seu próximo mandato vai fazer uma verdadeira revolução na educação.

Roseana disse no seu programa de TV na última quarta-feira: "O Maranhão mudou neste último ano...o Maranhão precisa ser tratado com seriedade e com propostas concretas de quem gosta (SIC)do Maranhão...vou fazer uma verdadeira revolução na educação...reformamos e estamos construindo 298 escolas... vou contratar mais professores e qualificá-los....no meu plano de governo vou garantir escolas de tempo integral... merenda de qualidade...cursos profissionalizantes...fardamento escolar gratuíto...vou instalar computadores e laboratórios de informática...vou construir escolas como o Liceu Ribamarense que atende 400 alunos em tempo integral..."

Confesso que nunca vi tanta promessa junta num só programa. Tive até dificuldade para anotar tudo, fiquei meio zonzo.

Aí veio o Dr. Jackson e disse que construiu 173 novas escolas. Foram 68 escolas em convênios com os município; 55 escolas indígenas; 34 escolas com recursos federais do Projeto Alvorada; 11 escolas rurais e quilombolas; e cinco escolas com recursos do Tesouro Estadual.

E quando teve seu governo interrompido em Abril de 2007, Jackson deixou 141 escolas em construção, a grande maioria abandonada pela "revolucionária" Roseana Sarney.

Foram 47 escolas que estavam sendo reconstruídas com recursos federais do PAR 2007; 35 escolas que estavam sendo reconstruídas com recursos federais do PAR 2009; 16 escolas indíginas que estavam sendo construídas com recursos do PAR; e 43 escolas em execução com recursos do tesouro estadual.

No quinto programa do horário político gratuíto na TV de Jackson Lago exibido ontem, Jackson disse o que ele fez pela educação em São Luís, como prefeito, e no Maranhão, como governador.

O programa do pedetista exibiu uma reportagem especial na escola de ensino médio que estava sendo construída na Cidade Olímpica, em São Luís, com 12 salas e capacidade para atender mais de 1.200 estudantes nos três períodos.

Roseana simplesmente abandonou a construção da única escola de ensino médio do bairro mais populoso da capital maranhense, obrigando estudantes da Cidade Olímpica a gastarem dinheiro com passagens de ônibus ou pedalando bicicletas por quilometros e quilometros, durante horas, só para estudarem.

No final do vídeo do programa de Jackson compare duas falas ditas por Roseana; uma na quarta-feira passada em pleno século XXI e outra feita ainda no século XX, dita no longínquo 1994, há dezesseis anos...

Neste período de 16 anos, Roseana Sarney governou o Maranhão duas vezes: uma de Janeiro de 1995 a Abril de 2002 e a segunda de Abril de 2009 até hoje.

No primeiro período de sete anos e três meses, Roseana que tinha prometido uma verdadeira "revolução na educação" na campanha eleitoral de 1994, construiu três escolas e ao deixar o governo em Abril de 2002 para se candidatar ao Senado, 159 dos 217 municípios maranhenses não possuiam uma escola sequer de ensino médio.

Agora no retorno de Roseana Sarney como governadora biônica do Maranhão, ela abandonou as escolas iniciadas por Jackson Lago e diz que reformou centenas de escolas.

Na verdade o que elea fez foi pintar ou caiar os muros externos de cada escola estadual de branco para depois pintar a logomarca de seu governo.

E no programa de Roseana na TV da última quarta-feira à noite ela prometeu realizar outra "revolução na educação do Maranhão".

Ela já teve duas oportunidades na vida de realizar o sonho de Che Guevara: revolução na educação.

Será que o povo maranhense vai acreditar numa promessa velha vestida de novidade. Se não cumpriu a promessa feita em 1994, por que ela cumprirá promessa idêntica feita em 2010?

Confira o vídeo do programa de Jackson Lago exibido na noite de ontem:


Agenda de Jackson Lago para hoje

Sábado, dia 28 de Agosto de 2010:



Manhã: Sucupira do Norte e Mirador;


Tarde: Colinas ;


Noite: Buriti Bravo.

Agenda de Flávio Dino para hoje

SÁBADO, DIA 28 DE AGOSTO DE 2010

9h - COELHO NETO

15h - PARNARAMA

16h30 - MATÕES

Notícia de utilidade pública

Vejam o email que recebi via internet que alerta todos sobre a nova modalidade de se conseguir informações sobre a sua senha do cartão de débito ou de crédito ao usá-lo em postos de gasolina, lojas de conveniências e no comércio em geral:


"NOVO GOLPE NO CARTÃO DE DÉBITO


Os 'caras' são no mínimo muito criativos! Há muito tempo não uso cheque e quase não levo dinheiro vivo, só gasto no Electron. De tanto usar, a gente perde um pouco do cuidado e é aí que sofre com a falta de atenção!

No meu caso, me dei conta na hora, mas foi por sorte,
pois, normalmente, não daria tanta atenção na hora de colocar a senha
do cartão.

Abasteci o carro e na hora de pagar, o frentista fez a 'gentileza'de me alcançar a maquininha, só que nesse momento os dedos dele taparam o visor.

Digitei a senha e ele colocou de volta na bancada, ai veio a minha sorte:
Por engano, digitei um número a menos e o cara sem querer falou: 'tá faltando um número'.

Como eu estava ao lado, olhei rapidamente para o v visor e minha senha estava ali digitada, ao invés dos tradicionais asteriscos!!!

Como já conheço o gerente do posto (Ipiranga) chamei-o na hora e perdi mais umas duas horas na delegacia.

Lá veio o esclarecimento do novo golpe:

O atendente faz uma 'gentileza' e segura a máquina pra digitarmos a senha, neste momento, tapando o visor com a ponta dos dedos, na verdade ele não colocou o valor da compra, e os dígitos da senha aparecem no visor ficando expostos como se fossem o valor da compra.

Ele anota a senha e diz que não funcionou por qualquer motivo. Faz novamente o procedimento só que correto e a gente paga a despesa.

PRONTO: O cara tem a senha anotada e o número do cartão que fica registrado na bobina.

Segundo a delegada, em dois dias um cartão clonado com qualquer nome está na mão da quadrilha e os débitos caem direto na sua conta!!!

O frentista confessou que 'nem conhece quem são as pessoas por trás disso' um motoqueiro passou no posto,ofereceu R$ 600,00 por semana e passava lá pra pegar a lista de cartões e senhas e para deixar o dinheiro pro cara.

Segundo a delegada está acontecendo muito em barzinhos, botecos,danceterias, lojas de conveniência, posto de gasolina, etc."

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Roseana vem caindo pesquisa a pesquisa

A TV Mirante/Globo divulgou ontem à noite no Jornal do Maranhão. 2.ª edição, as 18h45, a primeira pesquisa IBOPE, contratada pela própria emissora pertencente aos três irmãos Sarney (Roseana, Fernando e Zequinha).

Na pesquisa Roseana Sarney, do PMDB, está na dianteira com 47% das intenções de votos, seguida do ex-governador Jackson Lago (PDT) com 25%, de Flávio Dino (PC do B) com 13% (sic) e de Marcos Silva, do PSTU, com 1%. Os votos brancos e nulos seriam 3%, os indecisos 11% e os outros dois candidatos, Saulo Arcangeli (PSOL) e Josivaldo Correa (PCB) não pontuaram.

Esta pesquisa tem um dado muito, mas muito estranho. O candidato da coligação PC do B, PSB e PPS, deputado Flávio Dino, baixou para 13% de intenções de votos em relação à pesquisa Escutec, publicada pelo jornal da família Sarney em no último dia 15 de Agosto, onde ele aparecia com 18,2% das intenções devotos.

Se Flávio Dino tinha 18,2% três dias antes do primeiro programa do horário eleitoral gratuito, como ela perderia 5,2% num período de dez dias onde foram exibidos oito programas de Flávio e ele visitou mais de 20 municípios nestes mesmos dez dias?

O principal problema de Dino é o fato dele ainda não ser muito conhecido no interior do Maranhão. Com oito programas de TV, dezenas de carreatas, caminhadas e visitas a mais de 20 cidades, como ele poderia cair 5,2%?

Dos seis candidatos Flávio é que vem crescendo nas pesquisas mais rapidamente e a medida de que o povo maranhense vai tomando conhecimento das ações do governo Jackson em 27 meses de governo, o candidato pedetista também vai recuperando seu espaço político no Estado.

Na realidade eu acho que quem está caindo de maneira consistente é Roseana Sarney.


Na 1.ª pesquisa Escutec (25/07) ela tinha 50,4%; depois no IPOP (1.°/08) baixou para 48,46%; continuou retrocedendo na 2.ª pesquisa Escutec (15/08); e hoje caiu mais um pouco na 1.ª pesquisa IBOPE (47%).

Em 33 dias ela caiu 3,4% nas suas intenções de votos com toda a máquina do governo do Maranhão nas mãos, milhões distribuídos em convênios com prefeitos municipais e com o apoio de 180 dos 217 prefeitos do Maranhão, sem contar o apoio político de Lula, o presidente mais popular dos 120 anos e nove meses e 14 dias da história republicana do Brasil.

Veja a tabela com dados das quatro s pesquisas divulgadas até hoje no Maranhão desde o dia 25 de Julho de 2010 e tire suas próprias conclusões:


Pesquisa/Candid. RS - JL - FD - outros - B+N - Indec.

IBOPE/EMA
27- 08- 2010
- 47% - 25% - 13% - 1% - 3% - 11%


Escutec/EMA
15- 08- 2010
- 49,6% - 23,7% - 18,2% - 1,1% - 3,3% - 4,2%


IPOP/JP
1.° - 08- 2010
- 48,46% - 22,85% - 17,08% - 1,77% - ,08% - 5,77%


Escutec/EMA
25 -07 - 2010
- 50,4% - 25,8% - 16,8% - 1,00% - 2,00% - 4,10%


Legendas:

RS: Roseana Sarney (PMDB);

JL: Jackson Lago (PDT),

FD: Flávio Dino (PC do B);

Outros: Marcos Silva (PSTU) + Saulo Arcangeli (PSOL) + Josivaldo Correa (PCB);

B + N: votos brancos e nulos;

Indec.: eleitores indecisos;

EMA: Jornal O Estado do Maranhão; e

JP: Jornal Pequeno


Já existe mais uma pesquisa saindo nos próximos dias que a segunda pesquisa IPOP/JP.

Vamos aguardar!

Em visita a Alto Alegre, Flávio Dino critica concentração de terra no Maranhão

Em visita à cidade de Alto Alegre, o candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, criticou a concentração de terras no estado. Segundo os dados apresentados por ele, o Maranhão possui hoje a terceira maior concentração de renda do país, atrás apenas do Alagoas e do Piauí.

Flávio conversou com trabalhadores rurais e moradores de Alto Alegre durante uma reunião sobre limites de propriedade da terra, realizada no salão paroquial da Igreja Nossa Senhora da Conceição, em Alto Alegre.

Na cidade, Flávio Dino também liderou uma grande carreata (foto abaixo), que passou pela cidade com motocicletas e carros de som e foi muito bem recebida pelos moradores, que aderiram à manifestação com bandeirolas, acenos e sinais de positivo.



O candidato também conversou com os alto-alegrenses sobre a disputa eleitoral e se disse otimista e animado. "É verdade que temos um adversário poderoso. Mas temos também um povo que nos apóia e que deseja a mudança do nosso estado. Por isso, eu não poderia estar mais animado e confiante", disse Flávio Dino, citando novamente o presidente Lula.

"Todos esses anos tivemos um modelo de desenvolvimento errado. Foi esse modelo que nos conduziu a essa situação que temos hoje. Mas eu quero governar o Maranhão como o Presidente Lula governou o Brasil: olhando para as camadas menos favorecidas da cidade, para os excluídos", disse o candidato.

De Alto Alegre, Flávio e sua comitiva seguiram para Peritoró, onde também fizeram uma grande carreata. Na entrada do município, ele foi recebido com buzinaço de várias motocicletas, decoradas com bandeiras e adesivos do candidato. Na cidade, ele recebeu o apoio de Valter, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais local. Valter lembrou que não é de hoje que ele conhece o trabalho de Dino. Ele mora em um assentamento que foi regularizado a partir de uma decisão de Flávio Dino como juiz, em 1985.

"Muita gente aqui nessa área mora em regiões onde foi feita a reforma agrária e que conseguiram suas terras assim. A Fetaema apóia Flávio Dino, os trabalhadores rurais estão com ele e eu também o apoio, por entender que ele é o melhor para o Maranhão", disse Valter.

Já o farmacêutico Araújo trabalhava em Coroatá, mas está de mudança para São Paulo em busca de melhores condições de vida. Ele encontrou Flávio enquanto esperava pelo ônibus. "Aqui na nossa região faltam oportunidades, tanto para falta de desenvolvimento quanto por problemas políticos. É por isso que estou indo embora do Maranhão. Quero dizer a todos os maranhenses que devem votar em Dino. Para dar mais oportunidades para os nossos trabalhadores, só mudando essa política que está aí", avaliou ele.

Em Capinzal do Norte, Flávio Dino ouviu queixas dos professores da cidade. Eles reivindicam a reforma da escola Antonio Joaquim Araújo, o colégio Bandeirantes. "O teto está caindo, o chão está afundando e as paredes também estão ameaçando desabar. A Roseana Sarney já veio aqui, prometeu que iria reformar a escola, mas até agora não vimos nada", disse a professora Marlene Bertoldo.

Flávio Dino reafirmou o compromisso com a educação e lembrou que isso reforça a sua certeza de que a riqueza que será gerada pela reserva de gás natural na cidade seja usada em benefício da população de Capinzal do Norte e de todos os maranhenses. "Não podemos mais ter um estado tão rico com um povo tão pobre. As riquezas do Maranhão devem resultar em benefício de todos os maranhenses", disse Flávio Dino.

De Capinzal do Norte, Flávio Dino seguiu para carreatas em Santo Antonio dos Lopes, Gonçalves Dias e Presidente Dutra. O dia de atividades de campanha encerrou com um comício em Dom Pedro.

Quem tem medo da "doutora" Dilma?



VOU CONFESSAR: Morro de medo de Dilma Rousseff.

Esse governo que tem muitos acertos, mas a roubalheira do governo do PT e o cinismo descarado de LULA em dizer que não sabia de nada nos mete medo.
Não tenho muitos medos na vida, além dos clássicos: de barata, rato, cobra.
Desses bichos tenho mais medo do que de um leão, um tigre ou um urso, mas de gente não costumo ter medo.

Tomara que nunca me aconteça, mas se um dia for assaltada, acho que vai dar para levar um lero com os assaltantes (espero). Não me apavora andar de noite sozinha na rua e, não tenho medo algum das chamadas "autoridades", só um pouquinho da polícia, mas não muito.

Mas de Dilma não tenho medo; tenho pavor.

Antes de ser candidata, nunca se viu a ministra dar um só sorriso, em nenhuma circunstância. Depois que começou a correr o Brasil com o presidente, apesar do seu grave problema de saúde, Dilma não para de rir, como se a vida tivesse se tornado um paraíso.
Mas essa simpatia tardia não convenceu.

Ela é dura mesmo.

Dilma personifica, para mim, aquele pai autoritário de quem os filhos morrem de medo, aquela diretora de escola que, quando se era chamada em seu gabinete, se ia quase fazendo pipi nas calças, de tanto medo.

Não existe em Dilma um só traço de meiguice, doçura, ternura.

Ela tem filhos, deve ter gasto todo o seu estoque com eles e não sobrou nem um pingo para o resto da humanidade.

Não estou dizendo que ela seja uma pessoa má, pois não a conheço; mas quando ela levanta a sobrancelha, aponta o dedo e fala, com aquela voz de general da ditadura no quartel, é assustador.

E acho muito corajosa a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira, que enfrentou a ministra afirmando que as duas tiveram o famoso encontro. Uma diz que sim, a outra diz que não, e não vamos esperar que os funcionários do Palácio do Planalto contrariem o que seus superiores disseram que eles deveriam dizer. Sempre poderá surgir do nada um motorista ou um caseiro, mas não queria estar na pele da suave Lina Vieira.

A voz, o olhar e o dedo de Dilma, e a segurança com que ela vocifera "suas verdades", são quase tão apavorantes quanto a voz e o olhar de Collor, quando ele é possuído. Quando se está dizendo a verdade, ministra, não é preciso gritar; nem gritar nem apontar o dedo para ninguém. Isso só faz quem não está com a razão, é elementar.

Lembro de quando Regina Duarte foi para a televisão dizer que tinha medo de Lula; Regina foi criticada, sofreu com o PT encarnando em cima dela - e quando o PT resolve encarnar, sai de baixo. Não lembro exatamente de quê Regina disse que tinha medo -nem se explicitou-, mas de uma maneira geral era medo de um possível governo Lula..

Demorei um pouco para entender o quanto Regina tinha razão.

Hoje estamos numa situação pior, e da qual vai ser difícil sair, pois o PT ocupou toda a máquina, como as tropas de um país que invade outro. Com Dilma seria igual ou pior, mas Deus é grande..

Eles não falaram em 20 anos? Então ainda faltam quase 13, ninguém merece.
Seja bem-vinda, Marina Silva. Tem muito petista arrependido que vai votar em você e impedir que a mestra sem mestrado, Dilma Rousseff, passe para o segundo turno.

Outra boa opção é o atual governador José Serra que já mostrou seriedade e competência. Só não pode PT, Dilma e alguém da "turma do Lula".

Maríla Gabriela

Jackson reafirma projeto de desenvolvimento para o Sertão

<,Nem o sol do meio-dia do sertão afastou a multidão que recepcionou o candidato ao governo do Estado, Jackson Lago (PDT), na São Domingos do Azeitão (foto abaixo), nesta sexta-feira. Antes, Jackson já havia recebido calorosa manifestação de apoio da população de Benedito Leite.





Os dois municípios da região Sul do Estado foram beneficiados na gestão do ex-governador com a pavimentação asfáltica da MA-371, ligando Benedito Leite à BR-230, uma reivindicação antiga da população da região.

“Em pouco tempo, criamos as condições básicas para o desenvolvimento desta região. Uma delas foi a estrada que retirou Benedito Leite do isolamento e abriu as portas para a prosperidade econômica e expectativas da juventude de vários municípios maranhenses mergulhado no esquecimento havia anos”, citou Jackson Lago.

O candidato ao governo lembrou que o desvio dos objetivos da função pública levou o Maranhão a oportunidade de ter uma esmagadora de soja da Bunge, um poderoso grupo econômico instalado na região. A Bunge instalou a fábrica de transformação no município de Uruçui (PI) a menos de 28 quilômetros do território maranhense, onde tentou fazer o investimento. “É necessário que a população reflita sobre quem são os responsáveis por esses prejuízos que atrasam o desenvolvimento do Estado”, observou o pedetista.


Jackson aproveitou o encontro aberto com as populações dos dois municípios para apresentar a prestação de contas dos convênios firmados com as refeituras.  Recursos liberados para recuperação de estradas vicinais, como a que liga os povoados Santa Tereza e Curral Velho; a construção de escola municipal no povoado Buriti; destinação de quase R$ 1,5 milhão para a saúde pública e condições para a compra de ônibus de transporte escolar, foram relatados pelo ex-governador.

Em Benedito Leite, o candidato comprometeu-se a incluir em seu Plano de Ação Imediata (PAI) a instalação do sistema de abastecimento de água. O projeto foi dado início ainda durante o governo Jackson Lago, mas interrompido desde que lhe retiraram do governo por decisão judicial.

Apoiado por lideranças como o vereador Irapuan Martins, o Puan, o ex-vereador Marcus Gaúcho, do Pastor Zé Filho, e do líder da oposição em São Domingos do Azeitão, Arnoldo Costa, Jackson Lago chegou à cidade acompanhado dos candidatos ao Senado, Edson Vidigal e Roberto Rocha, do PSDB, e da candidata a deputada federal Deuzilene.

Roseana Sarney abandonou saúde e privou Pinheiro de ter hospital, diz Zé Reinaldo

,
O ex-governador do estado, José Reinaldo Tavares (PSB), candidato a senador pelo Maranhão, criticou o sequestro de recursos da saúde feito pelo governo Roseana Sarney.

Quem governa hoje o estado é ilegítimo, porque não foi eleita pelo povo. Ela perdeu as eleições e ganhou o governo no tapetão, para isso, anularam 1 milhão e 400 mil votos. Entrou no governo desnorteada e a primeira coisa que vez com Pinheiro foi pegar o recurso do hospital e devolver para o governo. Tirou da população de Pinheiro o hospital e diz que entregará outros 75”, criticou o candidato ao Senado, durante pronunciamento feito em Pinheiro, após grande caminhada pelas ruas da cidade.

Zé Reinaldo defendeu um estado mais livre para a população. Ele criticou a falta de compromisso com a educação, saúde e oportunidade para os maranhenses e apostou na vitória de Flávio Dino (PCdoB) ao cargo de governador do Maranhão.


Zé Reinaldo discursa em comício de Pinheiro realizado ontem


Ainda em discurso, Zé Reinaldo defendeu um estado mais democrático e digno para a população maranhense. Ele disse que essa será a oportunidade de renovar o estado.

Queremos um Maranhão livre, com escola, saúde e trabalho para todos. Temos que mudar isso, dar uma chance ao povo do Maranhão. O Flávio Dino é o melhor candidato. Tem planos e projetos para o Maranhão. Quer fazer ensino profissionalizante para atender e qualificar os maranhenses para quando empresas se instalarem no Maranhão, empregar mão de obra daqui”, defendeu Zé Reinaldo, frisando a importância de ações voltadas para educação.

Na cidade de Pinheiro, uma multidão acompanhou Flávio Dino, durante caminhada pelas ruas. Ao longo do percurso, os candidatos foram saudados pelos moradores na segunda visita de Zé Reinaldo à cidade de Pinheiro.

Recordar é Viver - capítulo 1: o trem blindado de Roseana pode ser um mau agouro

A última vez que algum candidato no Brasil usou uma estrada de ferro e um trem como peça publicitária de campanha eleitoral no país, o Brasil quase afundou num mar de corrupção.

O trem que Roseana usa em seu programa eleitoral parece mais um trem blindado só com cinco passageiros: Lula, Dilma, Roseana , Lobão e João Alberto. Ele corre a linha férrea numa velocidade tão grande, que o povo maranhense nunca tem chance de embarcar nele.

Relembrem agora outro cenário ferreoviário que fez muito sucesso na propaganda eleitoral brasileira no final de década de 80 e deu no que deu!

video

Marcelo Tas manda uma mensagem para o povo maranhense

O jornalista Marcelo Tas, que comanda o programa CQC da Rede Bandeirantes de TV, enviou uma mensagem gravada em vídeo aos maranhenses, onde ele fala da esperança que tem de que os maranhenses vão se livrar da oligarquia Sarney nas eleições de 2010.

Veja a mensagem de um dos mais completos jornalistas da mídia nacional, que está no ar todas segundas-feiras à noite pela tela da Band no programa CQC:

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

“Nossa candidatura é forte e competitiva. Temos condições de vencer as eleições”, afirma Flávio em entrevista a radio Mirante AM

Confiante de que chegará ao segundo e sairá vencedor na disputa pelo governo do Maranhão, o candidato Flávio Dino foi o entrevistado hoje de manhã pela Rádio Mirante AM. Durante uma hora e meia, Flávio discorreu sobre suas propostas de governo e disse que o problema do Maranhão está na política, uma vez que o estado reúne todas as condições geográficas e infra-estruturais para desenvolver, mas amarga os piores indicadores sociais e econômicos como atestam os principais institutos de pesquisa do país.

Flávio disse que denunciar a realidade social do estado e apresentar propostas honestas para revertê-lo são o sentido à sua candidatura.

Flávio lembrou que nesses quatro anos de mandato como deputado não fez outra coisa a não ser defender e trabalhar em defesa do Maranhão. “Não podemos aceitar que um estado com tantas condições para se desenvolver não desenvolva”, disse Flávio. Para ele, não há outra explicação para o atraso do Maranhão que não seja a visão política de quem está no comando do estado.

“Há uma compreensão errada de modelo de desenvolvimento a partir dos grandes investimentos. Eles (os grandes investimentos) são importantes, mas não são suficientes”, justificou. Na opinião do candidato, é preciso investir na economia real. Investir, por exemplo, na área de comércio e serviços, na agricultura familiar com ações para incentivá-las. “Essa é a primeira grande diferença da nossa candidatura. No lugar da demagogia dos grandes investimentos vou priorizar a economia real”, arrematou.


Administração com honestidade


Flávio diz que o que defende é um projeto inovador, um programa moderno de administração do estado pautado em propostas honestas e na correta aplicação do dinheiro público. O próximo governador, informou, terá um orçamento anual de R$ 10 bilhões, fora os recursos do governo federal.

“É dinheiro suficiente, se bem aplicado, para resolver os problemas da população”, afirmou.  Flávio disse que irá reorientar o uso do orçamento do estado e administrar com honestidade para beneficiar a população com políticas públicas e sociais.  

Flávio disse não ter dúvidas de que sairá vitorioso das eleições de 3 de outubro, pois por onde passa é grande o sentimento de renovação da política no estado. Disse que tem intensificado sua campanha nas ruas, nas visitas aos municípios maranhenses, na internet, no horário eleitoral gratuito de Rádio e TV, concedendo entrevistas e participando de debates. “Estamos fazendo uma campanha com o sentimento da renovação. Estamos muito motivados para enfrentar esse grande desafio de governar o Maranhão com honestidade”, disse. Ao final, pediu uma chance, uma oportunidade aos maranhenses para ser o governador do estado.

Depois da entrevista, Flávio Dino seguiu para Pinheiro para cumprir mais uma agenda de compromissos pelo interior do estado. Nesta sexta, ele amanhece em Alto Alegre do Maranhão e na seqüência visitará Peritoró, Capinzal do Norte, Santo Antônio dos Lopes, Gonçalves Dias, Presidente Dutra e Dom Pedro.

Flávio Dino e Zé Reinaldo são recebidos por multidão na cidade de Pinheiro

Uma multidão acompanhou Flávio Dino, candidato ao governo do Maranhão,e Zé Reinaldo Tavares, candidato ao Senado, em mais de duas horas de caminhada pelas ruas da cidade de Pinheiro. Durante o percurso, Flávio e o e-governador foram saudados pelos moradores da cidade, que espontaneamente acompanharam o candidato até a Praça José Sarney onde ele realizou um grande comício.

O candidato da coligação Muda Maranhão conclamou os pinheirenses a se engajaram nessa grande onda da mudança que está, segundo ele, tomando conta do estado. “É grande o sentimento de renovação da política em nosso estado”, disse. E continuou: “O momento é: continuar os mudar”.



Flávio Dino ,Zé Reinaldo e miltantes do PC do B, PSB e PT na caminhada hoje em Pinheiro


Essa foi a segunda visita de Flávio Dino à cidade de Pinheiro. Em ambos os momentos, a recepção foi bastante calorosa e de entusiasmo. “Estou confiante com a força que vem das ruas, do contato com o povo, como o olho no olho, que nós vamos ganhar as eleições em 3 de outubro”, afirmou.

Flávio disse que a educação será uma das prioridades de seu governo. “Vamos ampliar o ensino médio e abrir mais 100 escolas técnicas no Maranhão”, garantiu. Flávio anunciou, ainda, ser seu compromisso eliminar o analfabetismo no estado. Disse, ainda, quedará mais incentivo a professores e servidores da área da educação. “Não há como falar em qualidade na educação sem que os servidores não estejam motivados, não sejam valorizados”, argumentou.

Durante a visita à cidade de Pinheiro, Flávio Dino recebeu o apoio de várias lideranças políticas da região e contou, mais uma vez, com a presença de militantes petistas, que apóiam sua candidatura. Flávio aproveitou para dizer que fará um governo de apoio a todos os prefeitos maranhenses independente de sua posição política. “No meu governo não haverá perseguição. Não haverá prefeitos amigos e prefeitos inimigos”, garantiu.